Cursos de graduação da Unemat reservarão 5% das vagas para indígenashttp://www.seduc.mt.gov.br/educadores/Paginas/Cursos-de-graduação-da-Unemat-reservarão-5-das-vagas-para-indígenas.aspxCursos de graduação da Unemat reservarão 5% das vagas para indígenas<img alt="" height="225" src="/Galeria%20de%20Fotos/Unemat%20Caceresssss%20(Small).jpg" width="300" style="BORDER:0px solid;" /><p>​​</p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">A Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) reservará 5% de todas as vagas oferecidas nos seus cursos de graduação, a partir do próximo vestibular organizado pela Instituição, para indígenas. Com isso, a Unemat passa a destinar vagas para negros ou pardos, índios e alunos de escola pública nos cursos de graduação. A medida foi aprovada pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Conepe) na sessão ordinária realizada nos dias 22 e 23 deste mês em Cáceres.</p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">Com a aprovação da resolução que institui a Política de Ações Afirmativas da Unemat, a população indígena poderá concorrer em vagas específicas em todos os cursos de graduação da Instituição. A Unemat, já oferece há mais de uma década cursos específicos e diferenciados exclusivamente para indígenas, mas são cursos de licenciaturas oferecidos no câmpus de Barra do Bugres.</p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">Para concorrer às vagas destinadas aos indígenas, os candidatos deverão se autodeclarar índios e, no ato da matrícula, apresentar uma declaração da comunidade indígena reconhecendo-o como integrante da etnia/povo indígena.</p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">A criação de um programa de ação afirmativa que atende aos povos indígenas, amplia a integração e valoriza essa comunidade, dando acesso ao ensino superior em cursos não apenas de licenciaturas, mas também de bacharelados. No caso da política de cotas na Unemat nos cursos de graduação serão reservados os seguintes percentuais: 5% para indígenas, 25% para negros ou pardos, 30 % para alunos de escola pública e 40% para ampla concorrência.</p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">No caso de ingresso nos cursos da Unemat por meio do Sistema de Seleção Unificada (SiSU), adotado pela Unemat para o ingresso nos primeiros semestres de cada ano, a distribuição de vagas para os ingressantes em cursos com oferta de vagas em números de 30 ou 50 irão seguir o arredondamento adotado pelo sistema específico do Ministério da Educação (MEC).</p>Cursos de graduação da Unemat reservarão 5% das vagas para indígenas
Cursos de graduação da Unemat terão atividades curriculares de extensãohttp://www.seduc.mt.gov.br/educadores/Paginas/Cursos-de-graduação-da-Unemat-terão-atividades-curriculares-de-extensão.aspxCursos de graduação da Unemat terão atividades curriculares de extensão<img alt="" height="225" src="/Galeria%20de%20Fotos/unemat_620p%20(Small).jpg" width="300" style="BORDER:0px solid;" /><p>​</p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">A Universidade do Estado de Mato Grosso é a quarta universidade do Brasil a regulamentar a inclusão e o registro de atividades curriculares de extensão como componente curricular obrigatório nos cursos de graduação. A expectativa é que o registro e a inclusão já comecem a partir do segundo semestre de 2017.</p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">A medida foi aprovada pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Conepe) durante a sessão ordinária que aconteceu nesta semana (22 e 23 de novembro) em Cáceres, e atende a recomendação da Lei nacional de nº 13.005/2014. A primeira universidade brasileira a atender o dispositivo legal previsto no Plano Nacional de Educação foi a Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).</p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">Na Unemat a proposta de regulamentação e inclusão das atividades curriculares de extensão começaram a ser discutida no final de 2015, e somente agora o Conepe aprovou a medida. O pró-reitor de Extensão e Cultura da Unemat, professor Alexandre Porto, comemorou a aprovação. “Para a extensão na universidade essa regulamentação é um grande passo, pois todos os alunos estarão envolvidos em atividades extensionistas de forma curricular e não apenas vinculado a projetos, programas e eventos. Além disso, essa medida vai ampliar a aproximação da universidade com a sociedade, trazendo uma maior integração, mostrando o que está sendo produzido dentro da academia”, disse.</p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">O pró-reitor reconhece que a partir da aprovação dessa medida há um grande caminho pela frente até a implantação completa dessas atividades, que devem ser de no mínimo 10% do total de créditos exigidos para a graduação.  A partir dessa regulamentação será necessário prever essas atividades curriculares nos Projetos Pedagógicos dos Cursos, além passar pela análise dos Núcleos Docentes Estruturantes dos cursos e instâncias colegiadas, e prever uma forma de acompanhamento e monitoramento. </p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">A pró-reitora de Ensino e Graduação, Vera Maquêa, que é parceira na implementação da resolução aprovada pelo Conepe também destaca as vantagens tanto para o aluno como para a universidade, que poderá se envolver mais com a comunidade por meio das atividades curriculares de extensão, promovendo um intercâmbio de saberes.</p>Cursos de graduação da Unemat terão atividades curriculares de extensão
Pedidos de isenção da taxa do vestibular específico da Unemat terminam hoje (23)http://www.seduc.mt.gov.br/educadores/Paginas/Pedidos-de-isenção-da-taxa-do-vestibular-específico-da-Unemat-terminam-hoje-(23).aspxPedidos de isenção da taxa do vestibular específico da Unemat terminam hoje (23)<img alt="" height="225" src="/Galeria%20de%20Fotos/inscrições%20para%20vestibular%20unemat%20termina%20dia%2005%20(Small).jpg" width="300" style="BORDER:0px solid;" /><p>​</p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">O prazo para pedir a isenção da taxa de pagamento no vestibular específico modalidade Parceladas, para ingresso no primeiro semestre de 2017, termina nesta quarta-feira (23.11) pela internet. Estão sendo oferecidas 400 vagas em oito cursos superiores de licenciaturas e bacharelados que serão ministrados em seis cidades de Mato Grosso.</p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">Quem solicitar a isenção da taxa deve protocolar a documentação exigida nos postos especificados no edital. Já as inscrições com o pagamento da taxa poderão ser feitas até o dia 14 de dezembro pela internet, o boleto bancário poderá ser pago na rede bancária até o dia 15 de dezembro. </p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">Neste vestibular estão sendo oferecidas vagas nos municípios de Colíder (Ciências Biológicas), Confresa (Sociologia), Juara (Agronomia), Luciara (Física), Marcelândia (Agronomia e Direito) e Vila Rica (Filosofia e Zootecnia). Em todas as vagas a Unemat reserva 25% das mesmas para estudantes que se autodeclarem negros ou pardos, por meio do Programa de Inclusão e Integração Étnico-Racial (PIIER) e 35% das vagas para estudantes oriundos da escola pública. </p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">As provas serão realizadas nos municípios de Colíder, Confresa, Juara, Marcelândia e Vila Rica no dia 15 de janeiro no período das 08h às 11h, horário de Mato Grosso. O vestibular específico constará de duas etapas, sendo a primeira de provas de múltipla escolha e a segunda de prova de redação. As duas etapas acontecerão no mesmo dia e horário.</p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">O resultado final será divulgado a partir do dia 24 de fevereiro. As datas de matrículas e calendário das aulas serão divulgados por meio de edital complementar. Os candidatos devem observar o anexo VII do edital de abertura do vestibular que especifica o regime e horário de oferta dos cursos. Os cursos de licenciaturas em Fisica, Sociologia e Filosofia oferecidos respectivamente nos municípios de Luciara, Confresa e Vila Rica terão aulas em período integral (matutino e vespertino) nos meses de janeiro, fevereiro e julho. </p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">A oferta desses cursos na modalidade Parceladas, em regime de turmas únicas, foram aprovadas pelos conselhos superiores da Unemat: Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Conepe) e Consuni (Conselho Universitário) e visam garantir a formação superior no interior de Mato Grosso atendendo a demanda da sociedade. </p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">Para mais informações acesse o edital de abertura do vestibular específico para 2017/1 acessando: <a href="http://www.unemat.br/vestibular" style="color:#009ae5;">www.unemat.br/vestibular</a></p>Pedidos de isenção da taxa do vestibular específico da Unemat terminam hoje (23)
Unemat lança dois novos cursos em Marcelândiahttp://www.seduc.mt.gov.br/educadores/Paginas/Unemat-lança-dois-novos-cursos-em-Marcelândia--.aspxUnemat lança dois novos cursos em Marcelândia<img alt="" height="200" src="/Galeria%20de%20Fotos/Fávaro%20Unemat%20Marcelândia.jpg" width="300" style="BORDER:0px solid;" /><p>​</p><p>A Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) lançou neste sábado (19.11), no município de Marcelândia (a 670 km da capital), uma unidade pedagógica que vai ofertar os cursos de direito e agronomia para atender a demanda regional.</p><p>"O sonho de uma universidade pública aqui em Marcelândia e região é realizado em um momento de crise e dificuldade.  Graças a participação de cada um, com sua contribuição estamos vivendo esse momento", afirmou o vice-governador Carlos Fávaro, se referindo ao empenho da prefeitura e do Governo do Estado no novo modelo de parceria que possibilitou a abertura do cursos.</p><p>Conforme Fávaro, vários fatores possibilitaram esse momento. O primeiro deles foi a aprovação pela Assembleia Legislativa de um orçamento para a Unemat que tornou viável essa ampliação. Citou também a determinação do governador Pedro Taques por meio da Casa Civil, e do prefeito de Marcelândia e toda a população que recebeu de braços abertos essa oportunidade.  </p><p>Além da abertura dos cursos, o Governo firmou o compromisso de construir mais um bloco da Unemat de Alta Floresta,  com 10 salas, para melhor atender a região. Este será o primeiro curso presencial de nível superior da cidade, que tem aproximadamente 12 mil habitantes. Serão 50 vagas para cada habilitação, e as inscrições terão início nesta segunda (21.11) pelo site da Unemat. As aulas estão previstas para começar em março de 2017.</p><p>Conforme a reitora da Unemat, Ana Maria Di Renzo, está sendo cumprida a missão da universidade de ajudar as pessoas a terem o direito de estudar, e cumprir com o seu papel de descentralização. Atualmente a Unemat está em 60 municípios,  e tem cerca de 20 mil alunos em Mato Grosso.  </p><p>"A minha alegria de estar aqui e ver esse sonho ser realizado é tão grande quanto a dos cidadãos de Marcelandia.  Educação não é aquilo que retorna imediatamente, mas é uma semente que retorna para a sociedade",  acredita a reitora.  </p><p>Para o prefeito de Marcelândia, Arnóbio Vieira de Andrade, o anúncio se dá com a sensação de dever cumprido. Ele afirma que há mais de dois anos o município tenta oferecer cursos da universidade estadual.  </p><p>"Contraídos um compromisso de um milhão de reais para ser pago ao longo de cinco anos para trazer esse incentivo à nossa educação", explica o prefeito sobre o investimento municipal que deve custear por 200 mil reais ao ano os professores e a infraestrutura dos cursos.</p><p>Estiveram presentes também na ocasião o presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), Neurilan Fraga, e os deputados estaduais Pedro Satélite e Nininho.</p><p><br></p>Unemat lança dois novos cursos em Marcelândia
Pesquisadores da Unemat entregam exames laboratoriais para índios haliti-paresihttp://www.seduc.mt.gov.br/educadores/Paginas/Pesquisadores-da-Unemat-entregam-exames-laboratoriais-para-índios-haliti-paresi.aspxPesquisadores da Unemat entregam exames laboratoriais para índios haliti-paresi<img alt="" height="225" src="/Galeria%20de%20Fotos/inscrições%20para%20vestibular%20unemat%20termina%20dia%2005%20(Small).jpg" width="300" style="BORDER:0px solid;" /><p>​</p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">Pesquisadores da Universidade do Estado de Mato Grosso que participam do projeto de pesquisa sobre a situação de saúde dos paresí, apresentarão os resultados dos exames laboratoriais a 201 indígenas. A entrega dos resultados será feita em nove aldeias entre os dias 28 e 30 de outubro, quando também serão repassadas as condições de saúde e orientação.</p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">O projeto de pesquisa “Situação de Saúde dos Paresí” vem coletando amostras e realizando exames laboratoriais da comunidade indígena Haliti-Paresi desde 2014, com o objetivo de conhecer a situação de saúde desta comunidade e saber sobre a situação de hantavirose em comunidade indígena.</p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">A entrega dos resultados laboratoriais será realizada pelas pesquisadoras Elba Regina Sampaio de Lemos (Fiocruz\RJ), Marina Atanaka (UFMT), Ana Cláudia Pereira Terças (Unemat), Vagner Nascimento (Unemat) e aluno de iniciação científica Leonir Evandro Zenazokenae (Unemat e Indígena Haliti-Paresí).</p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">Além dos dados, os pesquisadores também puderam observar outros aspectos sociais e culturais dos paresí que acabarão sendo apresentados em forma de trabalhos e artigos científicos. A pesquisa tem demonstrado que a soroprevalência global de hantavírus foi de 11,62% (35/301). A avaliação prospectiva de 110 amostras de soro pareadas, que foram coletadas em 2014 e 2015, possibilitou a identificação de quatro indígenas sem anticorpos anti-hantavírus da classe IgG em 2014 que soroconverteram durante o estudo.</p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">Os pesquisadores constataram ainda que a captura de animais silvestres realizada em março de 2015, quando capturados dois roedores silvestres - Cerradomys scotti e Calomys tener - foram soronegativos. A professora da Unemat, Ana Cláudia Terças explica que este achado suscita a necessidade de capturas sistemáticas na região para identificar os roedores reservatórios.</p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">A pesquisa mostrou que as crianças das comunidades indígenas relataram ter contato com roedores silvestres em suas atividades diárias, principalmente aquelas ligadas aos brinquedos e brincadeiras. Diante desse relato os pesquisadores adoraram como estratégia de prevenção e fornecer informações sobre doenças a construção de uma cartilha educativa interativa. No material foram enfatizadas questões científicas da doença de modo simples, lúdico e informal, a fim de promover o aprendizado enquanto a criança se diverte com o conteúdo, baseado em seu cotidiano, que abrange narrativas, perguntas, atividades interativas e ilustrações coloridas. </p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">“A elaboração desta cartilha trouxe resultados significantes permitindo uma ressignificação do saber científico associado às práticas cotidianas, a percepção de suas vulnerabilidades, além do fortalecimento da língua nativa, com uma inequívoca representação social, considerando que a cartilha foi grafada em três línguas, trazendo em suas linhas situações como a limpeza da casa e brincadeiras diárias”, avalia a professora Ana Cláudia.</p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;"><strong>Histórico da pesquisa:</strong></p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">A pesquisa foi idealizada no final de 2011, quando foram relatados os primeiros casos de hantavirose em comunidades indígenas do Brasil. A escolha da comunidade Paresí ocorreu porque a mesma possui seu território circundado pelos municípios agrícolas responsáveis por 75% dos casos de hantavirose de Mato Grosso. As pesquisadoras realizaram uma visita até as aldeias com apoio da Prefeitura e Câmara de Vereadores de Campo Novo do Parecis e apresentaram a proposta do estudo aos caciques das  nove aldeias que pertencem aquele município.</p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">Após demonstração de interesse e apoio por parte da comunidade Haliti-Paresí, iniciou-se a busca de parceiros e documentações que atendessem a legislação vigente de ética em pesquisa envolvendo as comunidades indígenas, processo esse que tramitou por 28 meses nas instâncias éticas do país. A aprovação final aconteceu em outubro de 2014, e a primeira expedição para coleta de dados da população indígena ocorreu em dezembro de 2014. Em março de 2015 foi realizada expedição para coleta dos roedores silvestres dentro das terras Paresí, bem como uma segunda coleta de dados da população humana em dezembro de 2015.</p><p style="color:#555555;font-family:calibri, arial, helvetica, sans-serif;font-size:16px;text-align:justify;background-color:#ffffff;">O objetivo principal do estudo foi a realização da análise de hantavírus nessa comunidade, porém ao realizarmos parcerias também foram analisadas a presença de rickettsias lato sensu, hepatites virais, HTLV, Mycobacterium tuberculose, parasitas intestinais, além de análises do perfil nutricional, imagem corporal, níveis pressóricos, acesso aos serviços de saúde e conhecimento sobre saúde.</p><div><br>​</div>Pesquisadores da Unemat entregam exames laboratoriais para índios haliti-paresi